terça-feira, 30 de janeiro de 2018

romances moleculares

meu coração em tempos
de amores tão molhados
quando gasoso atira
para todos os lados

e a dispersão torna
em estado de solidez
esquece tudo e vem
a solidão outra vez

trocando de estado
em qualquer estação
assim perco o rumo
do meu difuso coração

19.12.2017

Por: Antonio Lima Júnior

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

repeat

Hoje eu acordei
com vontade de ouvir
aquele disco que ouvíamos juntos
na hora de transar

lançado na semana
em que fizemos amor pela primeira vez
falava da nossa vida
até a música final

nem tudo na vida
podemos dar repeat

12.09.2017

Por: Antonio Lima Júnior

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Romaria de Nossa Senhora das Dores

Um coração
de madeira
cravado
na praça Padre Cícero
com dois nomes
de uma relação tão forte
quanto a imburana
talhada
pelo artesão

faça sua tatuagem
de hena
e ponha o nome
do seu amor
até que a tinta seque
e a paixão dissipe
na próxima
romaria

16.09.2015

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

galáxia perdida

quando olho para a história da humanidade
vejo que já escreveram o que eu queria escrever
e que já fizeram tudo o que eu queria fazer
estou preso nesta época
como um mero observador
sem compreender meus contemporâneos

viajante do tempo
vagando na imensidão do século 21
sem saber o que fazer
acho que estou na época errada
perdi os prazos
a porta fechou
ou simplesmente esse é o meu destino
vagar pelo espaço e tempo
em busca de um sentido
até mesmo para o que escrevo

13.10.2017

Por: Antonio Lima Júnior

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

fases da vida

leio os poemas que fiz
aos dezessete
e já não entendo nada
tal qual não entendia
naquela época

tudo o que eu escrevo
é tão incompreensível
os versos de hoje
serão assim amanhã

deixo tudo para o futuro
quem sabe eu
com trinta e sete
entenda

14.12.2017

Por: Antonio Lima Júnior

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Solidão natural das espécies

meu quarto está repleto de insetos
formigas, aranhas, baratas
e até uma lagartixa
os gatos tentam subir pela janela
dando de cara com a vidraça

e eu no topo da cadeia alimentar
me encontro deitado
ouvindo músicas deprimentes
sem saber o que fazer

sou eu a evolução das espécies?

27.11.2017

Por: Antonio Lima Júnior

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Autocrítica

Lendo alguns escritos meus antigos
vejo que obtive alguns progressos
com letras bem mais consistentes
apesar de ainda fraco com os versos

há algo que ainda assim persiste
entre as palavras que eu escrevo
um lamento profundo entre temas
do meu cotidiano em alto-relevo

insatisfeito com minhas poesias
quero escrever insistentemente
até que não sobre mais nada
da minha frágil e vã mente

quem sabe assim eu possa
ficar em paz comigo mesmo
antes que a solidão cause
em mim uma vida a esmo

12.12.2017

Por: Antonio Lima Júnior

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Poema da Abstração

Solitário
procuro preencher o vazio
que há em mim
com vícios quaisquer
e amores vaporosos
em tempos líquidos

minha solidez está em versos
que faço nos poucos momentos
de abstração
até que essa massa uniforme
preencha meu vazio profundo

já não tenho medo da morte
ou dos assaltos em ruas estranhas
mas sim de chegar em casa
e ter a certeza de que nada encontrei
neste caminho lento e tortuoso
que faço todos os dias

02.11.2017

Por: Antonio Lima Júnior

domingo, 26 de novembro de 2017

Profecia

O homem é um nú enjaulado
preso em profundezas abstratas
um salto no escuro
um grito abafado
em busca de uma saída
sem saber que nos afogamos
e ainda não se vê
o fundo


26.11.2017

Por: Antonio Lima Júnior

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Reflexões de uma ressaca

Ando pelas ruas da cidade
sozinho com as mãos no bolso
sem conhecer ninguém
com breves acenos e sorrisos
não sei para onde quero ir

passo o dia olhando fotos
em redes sociais
de pessoas que não conheço
e nem mesmo interajo

não entendo porquê faço isso
tudo é muito automático
a gente nasce e aprende a andar
mas eu já nasci cansado
ando com vontade de deitar

quem saiba um dia eu acorde
e saia por aí chutando o lixo
falando alto e em bom som
com o peito rasgado
jorrando tudo que sempre quis
expurgar

29.09.2017

Por: Antonio Lima Júnior